sábado, 5 de agosto de 2017

A abandonada

Francesca Woodman - Untitled, Providence, Rhode Island, 1976

Ela desce, desce, penetra o soalho e vai desaparecer. A sombra que vivia a meu lado, vai-se embora. Temia-a tanto e já sinto a angústia da sua ausência. Que fazer agora que não tenho de me proteger dela, das suas solicitações, das suas manobras esquivas? Não, não me vou vestir. Para quê, se ninguém me vem ver, a própria sombra me deixou. Eu sou como estas paredes. Abandonadas, desintegram-se dia após dia, como se o nada as chamasse para dentro da sua imensa algibeira vazia. Medo? Não tenho medo, apenas um pouco de cansaço. Sim cansaço, o abandono é um exercício violento, tão violento. Sento-me cansada e espero. É tudo.