sábado, 14 de dezembro de 2013

Poemas do Viandante (441)

Jesús de Perceval - Nu (1960)

441. Nos dias em que o vento declina

Nos dias em que o vento declina
e uma sombra toma conta do rosto,
a noite chega envolta de névoa
e cai-te sediciosa sobre o corpo.

A vida envelhece tocada pelo frio
e da casa restam os dias caídos,
uma velha promessa por cumprir,
o coração ressequido pelo desejo.

Já não há como conjurar o terrível
e erguer da terra o que tombou.
Olho-te no engano do espelho
e deixo a minha mão poisar na tua.