sábado, 29 de dezembro de 2018

No bosque

Carlos Morago, Arboleda, 1998

Um bosque é o suficiente para alimentar o romantismo que nos habita. Desesperado, talvez por um desgosto de amor ou por um desastre financeiro, ter-se-ia suicidado entre as árvores. O local não deixa de ser convidativo aos grandes gestos, mas a verdade é bem diferente. Não se lhe conheciam paixões ou interesses. Entrou no bosque, é certo, mas o seu corpo nunca foi encontrado. A versão mais razoável é a que conta um amigo que o acompanhou. Chegado à clareira, ao anoitecer, disse-lhe. É aqui que vou ficar. Logo o corpo começou a sofrer uma estranha metamorfose. Quando a luz da manhã chegou, ele era aquela árvore que ali vê. A mais alta e imponente de todas. O resto são fantasias.

Sem comentários:

Publicar um comentário