quinta-feira, 20 de dezembro de 2018

Dezoito anos

Kurt Hielscher, Parsberg castle, Germany, 1931

Era filha única e a mais bela rapariga da região, se não mesmo do país. Pretendentes? Não lhe faltavam, mas foram todos rejeitados. Nunca se soube se a rejeição nascia dela ou da intransigência do pai. Correm as duas versões. No dia em que fez dezoito anos fechou-se na torre, na da direita. Nunca mais de lá saiu. Uma criada servia-a. Passava os dias à janela. Quando o pai morreu, nada se alterou a não ser que, passados dois anos, parece ter-lhe nascido uma criança, uma rapariga. Como? Não se sabe. Desde a morte do pai que nenhum homem foi visto no castelo. A criança? Olhe para a janela da outra torre. Está lá desde que fez dezoito anos, precisamente no dia da morte da mãe.

Sem comentários:

Publicar um comentário