sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

A minha mulher

Hannah Höch, Self portrait with Raoul Hausman, ca. 1919


Conheceu a minha mulher. Lembra-se, por certo, da sua figura e da sua maneira de ser misteriosa. Como ela adquiriu os papéis de identidade, nunca o soube. Quando casámos, estava tudo na mais perfeita ordem. O problema é que ela não tinha pai, nem mãe, tão pouco nasceu ou teve uma infância. Um dia, ao crepúsculo, senti uma leve tontura. Não cheguei a cair, mas de dentro de mim começou a sair uma sombra. Não tive medo. O processo não foi demorado. Quando a noite caiu ouvi uma voz, uma bela voz. Tremi. Vinha da sombra, agora um vulto, e tocou-me o coração como nenhuma outra. Quando acendi a luz, o vulto era uma mulher. Olhei-a no fundo dos olhos e soube de imediato que seria a minha mulher.