quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Poemas do Viandante (484)

Georges Seurat - Mulher sentada num prado (1882)

484. a dor desenfreada que se abre

a dor desenfreada que se abre
no coração

e pede que a sombra venha
sobre a luz

para que uma paz silenciosa
desça em ti

e assim te abras ao mistério
que há em mim