sábado, 1 de janeiro de 2011

Poemas do Viandante

145. ASSOMBRO

não sei do assombro
outra morada
apenas essa
onde te escondes
e chamas pelo meu nome
como se nele
residisse a sombra
ou o fogo que arde
no deserto
ao entardecer