quarta-feira, 20 de maio de 2015

Poemas do Viandante (508)

Jean François Millet - Nu reclinado

508. a noite em que tudo dorme

A noite em que tudo dorme
desce nos teus dedos.

Vem vagarosa e sublime
poisar sobre mim.

E eu oiço uma canção breve
na luz do teu rosto.

Assim embalado canto
e logo adormeço.