sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Poemas do Viandante

142. JUSTIÇA

as pétalas de seda
que atiravam sobre quem passava
o som dos tambores ao longe
a promessa nunca paga

do que somos cúmplices
ainda não o sabemos

enumeramos crimes
pétalas caídas
juras por cumprir

quando ele vier
saberemos o que nos cabe
o peso das nuvens
a leve misericórdia
que não merecemos