domingo, 4 de dezembro de 2016

Partir pedra

George Seurat - The Stone Breaker (1882)

Ao domingo, descansava. Nos outros dias da semana, porém, trabalhava o dia inteiro. Partia pedras e acumulava-as em grandes montes. Infatigavelmente. Por vezes, repousava e bebia água ou comia alguma coisa. Logo voltava à tarefa, sem desfalecimento. Não, nunca vi sair dali qualquer pedra ou tirar proveito do terreno livre das pedras. Estas eram partidas e amontoadas. Não tinha com ele qualquer proximidade, mas um dia perguntei-lhe a razão do seu trabalho. Olhou-me estupefacto. Havia nos seus olhos uma ironia matizada pelo cansaço. Respondeu-me: e para que serve o seu? E continuou.