sábado, 18 de abril de 2015

Um jubiloso amanhecer

Albert Dubois-Pillet - The Marne River at Dawn (1888)

Quando a luz rompe as trevas - nessa hora jubilosa do amanhecer - tudo parece ainda possível. O corpo e o espírito sentem-se tocados por uma promessa e a alma regurgita de energia. Mas tudo começa logo a decair, como se a promessa fosse esquecida e o ânimo se dispersasse nas horas que passam. Chega então o tempo em que o viandante se deve superar e esperar a graça que o fará continuar na viagem, como se cada hora fosse ainda e sempre um jubiloso amanhecer.