sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Poemas do Viandante (446)

William Congdon - Winter (1950)

446. Ainda soa o tambor da morte

Ainda soa o tambor da morte.
Rufa no incenso da tarde,
abre clareiras no Inverno.

Ardendo de fria devoção,
um pássaro canta,
ergue a voz ao vento
e sobre as nuvens espalha

uma tinta de água azul.
Os dias crescem lentos
e o tambor não pára de rufar.