segunda-feira, 8 de maio de 2017

A fuga

Heinrich Kuhn

Ficava longas horas a olhar as águas do lago. Não pensava em nada, olhava e entregava-me a um estranho sentimento de nostalgia. Sempre que ali estava, dentro de mim nascia a certeza de que há muito eu teria habitado o lago. Quero dizer: o lago teria sido a minha casa e a água o meu elemento. Com o passar das horas, o sentimento transformava-se em convicção e uma estranha evidência crescia em mim. Então, levantava-me e corria para casa. Um dia ouvi, vinda do fundo, do lago a voz da minha mãe, morta há muito. Chamava-me para casa. Levantei-me e ainda dei uns passos em direcção à água. O crocitar de um corvo, contudo, fez-me parar. Fugi, é essa a palavra, e nunca mais voltei.