domingo, 19 de maio de 2019

A concha de Penélope

Frank Eugene, Miss Gladys Lawrence - The Seashell, 1910-13

Ela transportava sempre aquela concha consigo, levando-a, uma vez por outra, ao ouvido. Então, ficava assim durante longos momentos. Depois, como se orasse, apertava-a nas mãos. De seguida, pousava-a e retomava o trabalho, aquele que haveria de desfazer durante a noite. Interrompia-o para sintonizar de novo o mar naquele objecto mágico. Sempre que o fazia, uma sombra cobria-lhe o rosto e uma dor varava-lhe o peito. Também no dia em que, irreconhecível, Ulisses desembarcou em Ítaca, ela levou a concha ao ouvido. O que escutou deu-lhe tal alegria que deixou que o objecto se desprendesse das mãos e se estilhaçasse nas duras lajes do palácio. O mar deixara de lhe falar.

Sem comentários:

Publicar um comentário