quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

A dádiva

Pierre Puvis de Chavannes - O pobre pescador (1881)

Espero. O barco preso à margem e, sob os meus olhos, a água passa, como por mim passam os anos. Antes - ah, como era ingénuo - dizia que tudo dependia da minha iniciativa. Não me faltava iniciativa, mas ela trouxe-me aqui. De pé, sobre o velho barco, sem exigir nada do mundo ou do rio. Eu sei que nascemos predadores, mas também nascemos ignorantes. O peixe virá se tiver de vir. Se vier é porque me pertence. Se não, é porque as águas ainda o reclamam como seu. Julgava que tudo dependia da conquista, hoje descobri que mesmo o conquistado é uma dádiva. A água passa e eu espero.